sexta-feira, 1 de julho de 2011

Pedróquio (2)



(Foto tirada da internet)

A eleição de um novo Governo era visto por muitos portugueses como uma oportunidade de mudança, assumindo a esperança de que o país ainda teria salvação. Agora passadas que estão duas semanas parece que a desilusão foi grande com a apresentação do programa.


Pasme-se que o actual Primeiro Ministro, que apenas há alguns meses atrás enquanto lider do maior partido então na oposição foi um dos responsáveis pelo chumbo do PEC IV, forçando a realização de eleições antecipadas, vem agora afirmar ao país "(...) Não queremos chegar atrasados. Não queremos governar depois dos factos, quando todas as oportunidades foram já perdidas. (...)". Parece que uma delas, o famoso PEC IV foi chumbado justamente por sua causa.


O mesmo líder que em campanha eleitoral afirmou em 1 de Abril (se calhar por ser o dia das mentiras), que não mexeria no subsídio de natal, e anteriormente em 24 de Março, que a mexer nos impostos seria sempre nos impostos sobre o consumo e nunca sobre o rendimento vem agora fazer exactamente o oposto.

O mesmo partido que veio afirmar que: "(...) Pôr os portugueses a pão e água por precaução não se justifica. " (Miguel Relvas, Ministro do actual Governo) vem agora: "(...) o Governo anuncia hoje aos Portugueses medidas de antecipação e de prevenção capazes de inverter este ciclo e de contribuir para restaurar a confiança na nossa economia."


Assegurar que os sacrifícios não serão distribuidos de uma forma injusta e desigual seria aplicar esta medida a todos os portugueses com excepção dos já abrangidos pelas reduções remuneratórias da função pública, que assim se vêem em apenas um ano sujeitos a um segundo corte remuneratório, comparativamente com os trabalhadores do sector privado e com od reformados, que até aqui nunca tinham sido chamados a contribuir em termos de sacrifícios em igualdade de circunstâncias (lembre-se que a redução às reformas constava do PEC IV que foi chumbado).

Mas mais do que tributar, ainda que excepcionalmente, os rendimentos partido de uma base tão baixa como a estabelecida, isentando apenas o valor correspondente ao ordenado mínimo nacional, porque não criar um imposto de 1% sobre o património global do agregado para patrimónios superiores a 1 milhão de euros? Porque não chamar a contribuir de forma significativa quem possui um maior património, directamente relacionado com rendimentos mais elevados e com maior capacidade de absorver este tipo de medidas em vez de penalizar uma vez mais quem tem rendimentos mais baixos?

E porque não criar um imposto one-off de 1% sobre as empresas que apresentem lucros superiores a 5 milhões de euros? Será que não interessa contrariar as grandes instituições financeiras e os grandes grupos económicos, pseudo defensores da produção nacional, chegando mesmo ao ponto de fazerem pic-nics de promoção da produção agrícola nacional, quando são os primeiros a esmagar as margens destes, em vez de terem políticas de priveligiar a venda da produção nacional e só depois os produtos estrangeiros.

Ainda só passaram duas semanas, e a ver pelos exemplos agora dados, dá já para perceber que tudo aquilo que foi afirmado na campanha eleitoral parece que afinal não será bem assim, e que dentro em pouco lá iremos andar a saltar de PEC em PEC.

1 comentário:

pinguim disse...

Amigo
não é só ele...
Cavaco diz uma coisa há um ano e agora diz o contrário e ainda nos chama ignorantes.
E a Manuela Ferreira Leite fez uma intervenção em Março na AR que está nas antípodas do que agora diz.
E o Sócrates é que era o "mau da fita"...
Tenham vergonha na cara.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...